Institucional

O Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) teve início em agosto de 2001, quando da aprovação pela CAPES do Mestrado em Educação que, em números, contava com 10 docentes doutores permanentes e 20 mestrandos. Em seus primeiros anos, o PPGE estava organizado em duas linhas de pesquisa: Magistério e Formação de Professores e História e Política da Educação Brasileira. A partir de 2010, conseguimos avançar para a nota 4 e aprovamos o Doutorado, firmando a primeira turma em 2011 e tendo as primeiras defesas de doutorado em 2014, mantendo consolidado o fluxo discente padrão em 2018. Os cursos de Mestrado e Doutorado, vinculados ao PPGE do Centro de Educação (CEDU) da UFAL foram recomendados pelo CTC da CAPES, respectivamente, em 2001, 2010 e 2017, através das Portarias de Reconhecimento: Portaria MEC nº 1.077/2012, de 13.09.2012, renovação do reconhecimento do curso de Mestrado, com a homologação do Parecer CNE/CES nº 102/2011 – Resultados da Avaliação Trienal de 2010; Portaria nº 656/2017, de 27.07.2017, renovação do reconhecimento do curso de Mestrado e Doutorado, com a homologação do Parecer CNE/CES nº 288/2015 – Resultado da Avaliação Trienal de 2013. Mesmo com a última Avaliação Quadriênal (2013-2016), obtendo a nota 3, o PPGE/UFAL se insere em um contexto sócio-educacional, visando a uma melhor resposta às necessidades de seus membros e às novas demandas do Estado de Alagoas, houve uma reorganização das cinco Linhas de Pesquisa do Programa, que são unificadas, tanto para o curso de Mestrado como para o de Doutorado, e estão assim discriminadas, em relação ao objeto de pesquisa: a. História e Política da Educação: estudo das teorias sobre a História da Educação e o Estado moderno e suas repercussões no campo das políticas educacionais do cenário brasileiro e alagoano, bem como suas implicações para a prática e a formação docente, a partir dos temas da análise dos discursos de sustentação das referidas políticas; os impactos do ajuste neoliberal sobre o ensino superior; trabalho e educação no Brasil e no Nordeste. Estudo das políticas curriculares nacionais e locais e impactos na profissão docente; educação de jovens e adultos b. Educação e Linguagem: estudo da linguagem em suas múltiplas dimensões, em contextos educativos diversos e em diferentes níveis de escolarização, visando à compreensão dos processos de ensino e aprendizagem fundados em quatro pontos essenciais: linguagem oral; linguagem escrita; leitura, compreensão e interpretação de textos; conhecimentos linguísticos. c. Processos Educativos: estudos do cotidiano das diferentes instituições educativas abrangendo desde a educação infantil ao ensino superior. Análise das práticas educativas a partir de perspectivas que consideram a complexidade da relação pessoa-contexto. Investigação dos processos educativos em diferentes áreas do saber. d. Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação: estudo dos fundamentos e desenvolvimento de metodologia sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação (TIC) na formação de educadores, nos diversos espaços de aprendizagem, com suporte em ambientes virtuais, como o apoio à formação presencial, à distância online e semipresencial. Utilização de ambientes de aprendizagem voltados à construção de um conhecimento autônomo, numa abordagem transdisciplinar, dentro de novos paradigmas educacionais. e. Educação e Inclusão de Pessoas com Deficiência ou Sofrimento Psíquico: estudo do desenvolvimento e da aprendizagem de indivíduos com necessidades educacionais especiais. Na linha são realizados estudos dos processos educacionais (ensino e aprendizagem) e da inclusão de pessoas com deficiência e/ou em sofrimento psíquico a partir da perspectiva de diferentes abordagens teóricas, com ênfase em metodologias de intervenção. Discussão e intervenção na formação de professores para atuarem no contexto da Educação Inclusiva, assim como em ambientes não escolares. Atendendo à demanda social, o PPGE, nos seus dezoito anos já formou 348 mestres e 48 doutores, sendo os doutores nos últimos oito anos. A nova configuração das linhas de pesquisa, atesta a sensibilidade do corpo docente para mantê-las atuais e compatíveis com o que se realiza efetivamente no programa e a alguns dos campos privilegiados de atuação em educação. As mudanças regulares na definição das linhas de pesquisa ao longo do tempo são um imperativo coerente à proposta original do PPGE. De 2009 a 2012 o PPGE obteve a aprovação de uma turma Minter, no Edital nº 01/2009, oferecendo 20 vagas para o Instituto Federal de Educação de Pernambuco (IFET). A seleção aconteceu no primeiro trimestre de 2009 e a parceria foi encerrada em 2012. Outras propostas de Minter estão em estudo e aguardando a retomada do conceito 4 para serem viabilizadas, como é o caso do IFAL e UNEAL. Em 2018 o PPGE/UFAL tem em seu quadro 30 docentes permanentes, 1 colaborador, 1 visitante (Silvio Gamboa – Unicamp) e 1 PNPD (Paulo Marinho – Universidade do Porto – Portugal), sendo 109 com pós-doutoramento. Todos atuam no PPGE como Professores Permanentes ou Colaboradores, orientando discentes e ministrando disciplinas, além da atuação nos respectivos grupos vinculados às Linhas de Pesquisa. No final de 2018 e início de 2019 houve a reestruturação do quadro docente (permanentes e colaboradores) e da Matriz Curricular, para melhor atender as demandas e o crescimento visível do PPGE. Espera-se, também, um investimento da UFAL na melhoria da estrutura física do seu maior programa de pós-graduação, bem como a integração total da matriz curricular do PPGE no contexto do sistema acadêmico SIGAA, iniciado com a turma que ingressou em 2018. O ano letivo de 2018 iniciou no dia 21 de junho, com a aula inaugural para recepcionar os 53 novos discentes das turmas dos cursos de mestrado e doutorado. Os gestores da UFAL e a Coordenação enfatizaram a importância deste momento de ingresso na pós-graduação, os desafios que terão pela frete no contexto de adversidades para as universidades públicas e o papel da pós-graduação em Educação no contexto alagoano e nacional, pelo fato do PPGE ser o maior programa de pós-graduação da UFAL e ter o único Doutorado em Educação do estado de Alagoas. Na solenidade, foram enfatizados o processo de reestruturação do PPGE, e as ações de melhoria das condições de trabalho dos 20 grupos de pesquisa distribuídos em cinco linhas de pesquisa, visando aumentar os indicadores de qualidade do Programa, a partir dos resultados da avaliação quadrienal encerrada em 2016. A aula inaugural intitulada “Dezessete anos de PPGE: passado, presente e futuro da pós-graduação em Educação na UFAL” foi ministrada pelo docente Luis Paulo Mercado, que resgatou a história da pós-graduação em Educação desde a década de 80 até a criação do Mestrado em Educação, em 2001 e o percurso de ampliação, criação do Doutorado e a consolidação do PPGE até os dias atuais. O PPGE possui 813 discentes matriculados entre 2001 e 2018, cerca de 500 dissertações e teses defendidas em 17 anos de existência e com 33 (trinta e três) docentes credenciados atuando em atividades de docência, orientação e pesquisa. Desde sua gênese o PPGE contribui para atuação efetiva políticas educacionais visando a melhoria da qualidade da educação em Alagoas, formando docentes e pesquisadores para intervirem na melhoria da educação na região, além de atuar também na formação de quadros experientes de pesquisadores que se articulam com ações sociais que se refletem na melhoria da qualidade da educação básica local, essencial para o desenvolvimento da UFAL. Nesta aula inaugural também foi apresentado os principais desafios e perspectivas para o PPGE no quadriênio 2017-2020 na avaliação da Capes: ampliar o conceito do PPGE nas avaliações quadrienais; ampliar a produção qualificada de docentes e discentes; ampliar o processo de internacionalização das atividades de pesquisa e produção científica; criação de novos cenários de articulação com a educação básica; implementação de mecanismos de acompanhamento e produção científica dos discentes e egressos. Também estão nas perspectivas aprimorar a formação sólida de pesquisadores e de docentes para o ensino superior e institucionalização dos processos de autoavaliação com o fortalecimento da dimensão qualitativa. Neste contexto, O PPGE participa, desde sua criação, dos fóruns da área, como o Fórum dos Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Educação (FORPRED); fóruns regionais e estaduais de educação; da participação em vários de GTs na ANPED, EPEN, da ANPOFE, do EDUCON, da ANPAE, entre outras associações que promovem e divulgam a pesquisa científica em Educação, bem como mantém a periodicidade do EPEAL, Encontro de Pesquisa em Alagoas, agregando outras instituições de ensino superior (IES) do Estado de Alagoas. Estas ações também envolveram ações de pesquisa, com a presença de docentes pesquisadores, discentes de graduação e pós-graduação no acompanhamento, observação e discussão dos processos de implantação das políticas educacionais, fortalecendo também as linhas de pesquisa. O PPGE mantém a periodicidade do EPEAL, Encontro de Pesquisa em Alagoas, que terá a oferta da sua nona edição em 2019, agregando outras Instituições de Ensino Superior do Estado de Alagoas. O EPEAL se constitui num espaço privilegiado de apresentação, discussão e reflexão em torno da investigação, desenvolvimento e práticas educativas. Suas várias edições têm proporcionado um espaço de encontro e debate entre investigadores, representantes institucionais, docentes e discentes da graduação e pós-graduação, afirmando-se como um evento de referência na divulgação de pesquisas na área educacional. Estas ações também envolveram ações de pesquisa, com a presença de docentes pesquisadores, discentes de graduação e pós-graduação no acompanhamento, observação e discussão dos processos de implantação das políticas educacionais, fortalecendo também as linhas de pesquisa.
Histórico
Desde 2001, o programa de Pós-graduação em Educação desenvolve suas atividades em Alagoas.
Infraestrutura
Espaço físico ocupado pelo Programa.