Você está aqui: Página Inicial / Pós-Graduação / Mestrado e Doutorado em Educação / Informes / Pesquisadores do Cedu debatem formação docente e currículo em Portugal
16/06/2019 08h12 - Atualizado em 16/06/2019 08h15

Pesquisadores do Cedu debatem formação docente e currículo em Portugal

Docentes e discente do PPGE no II CAFTe

Colaboração Marinaide Freitas e Paulo Marinho

Nos últimos dias 13 e 14 de junho, o Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Ufal esteve representado nas mesas de trabalhos científicos do II Seminário Internacional: Currículo, Avaliação, Formação e Tecnologias educativas (II CAFTe) realizado na Universidade do Porto.

Estiveram no evento, representando o PPGE, os docentes pesquisadores Profa. Marinaide Freitas e Prof. Paulo Marinho e a Pós-graduanda do mestrado Ithayse Lins que apresentou duas comunicações científicas: “Gamificação como estratégia de aprendizagem no ensino superior", em coautoria com o mestrando Eduardo Bruno Almeida dos Santos e o Prof. Fernando Silvio Cavalcante Pimentel, e "Laboratórios virtuais e aprendizagens significativas”, em coautoria com o Prof. Ednaldo Farias Gomes.

Durante o encontro a Profa. Dra. Marinaide Freitas foi a comentarista científica oficial do eixo 3 sobre “Políticas e práticas de formação de professores”, sendo a única pesquisadora brasileira integrante da mesa-redonda de encerramento – que abordou as importantes temáticas contemporâneas sobre o currículo, a avaliação, a formação e as tecnologias aplicadas à educação.

Por sua vez, o pesquisador e cientista da educação Dr. Paulo Marinho, professor português e atualmente visitante do PPGE/Cedu e vinculado ao CIIE da Universidade do Porto, foi o palestrante na mesa-redonda sobre “Políticas e práticas de avaliação da aprendizagem”, tendo como foco perspectivas de alunos do ensino fundamental e médio em escolas portuguesas. O docente concretizou ainda apresentações de trabalhos realizados no Brasil e Portugal, entre outros: “A cultura escolar e os jovens da EJA: desafios para a prática docente” e “A autonomia e flexibilização curricular: um antídoto para o GERM nas escolas portuguesas?”.