Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2018 / 3 / Somos nota 4! Somos todos Ufal
02/03/2018 15h59 - Atualizado em 13/03/2018 14h03

Somos nota 4! Somos todos Ufal

Após mais de 50 anos, em sua primeira avaliação institucional, comunidade Universitária da Ufal comemora nota 4 numa escala de 0 a 5

Relatório aponta perfil "MUITO BOM de qualidade", confirma Inep

Lenilda Luna - jornalista

É a primeira vez que o Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - faz avaliação da Universidade Federal de Alagoas em seu ato de recredenciamento. A Ufal fez uma solicitação de avaliação em 2007 pela gestão à época conforme número do processo 2007/481, porém, não teve andamento. Segundo a reitora Maria Valéria Correia, o comunicado sobre a avaliação do Inep, no início de sua gestão em 2016, foi uma surpresa.

A comissão de avaliadores esteve presente na Ufal nos dias 21 a 23 de fevereiro deste ano e, além de dialogar com a comunidade universitária e conhecer a estrutura física, teve acesso a uma vasta documentação que comprovasse os 51 indicadores de qualidade que o instrumento exige.

É importante destacar que a nota do Inep vai de 0 a 5, portanto, a conquista do conceito 4 para Ufal, numa conjuntura de contingenciamento e cortes de verbas nas universidades públicas, significa que a Universidade está em processo de autoavaliação, crescimento e consolidação constante.

Valéria Correia agradece à todos pelo engajamento nesse processo e ao empenho de um conjunto de pessoas que levam o serviço público muito a sério. A reitora também agradeceu aos gestores da Ufal, incluindo pró-reitores, diretores de unidades, coordenadores de cursos de graduação e pós, corpo técnico das diversas unidades, setores, além de estudantes e a comissão interna, que coordenou os protocolos necessários para este processo.

“A avaliação da Ufal pelo Inep veio em um momento importante para a reafirmação da importância e da qualidade da Ufal para a sociedade alagoana e a região nordeste. Assim como confirmar o que já sabíamos: a qualidade dos servidores - docentes e técnicos-  que compõem o quadro de trabalhadores da Ufal", ressaltou Valéria. 

O processo avaliativo

Foi criada uma comissão através da portaria 1569/2016 e posteriormente modificada pelas portarias GR 1738/2017 e 165/2018 com uma coordenação integrada pelos professores Tiago Zurck, Conceição Valença (Cedu), Luís Paulo Mercado (Cedu) e Jusciney Carvalho (Cedu) presidida por Valéria Correia, junto a uma comissão interna. Também participaram técnicos dos setores administrativos e as professoras Terezinha (Fanut) e Eliane Barboza (Fale), representando os diretores das Unidades Acadêmicas.

A principal estratégia foi dar total transparência ao processo e às ações que seriam adotadas. Nesse sentido, ​foi criada​ uma página com todas as informações, comunicados feitos aos demais gestores da Universidade, documentos e legislação.

Organização do trabalho

Foi elaborado um plano de ação que envolvesse essas duas frentes e programadas reuniões com cada pró-reitoria e órgão administrativo da Ufal além de visitas a todas as unidades acadêmicas da Universidade durante o ano de 2017.

Foram realizados painéis sobre o recredenciamento com a participação dos diretores das Unidades, coordenadores de graduação e pós-graduação, com os colegiados e integrantes dos NDEs. O primeiro contou com a participação da avaliadora Inep e procuradora Educacional Institucional do IFRN, professora Tarcimaria Gomes e do professor Walter Matias (Cedu - Ufal) também, avaliador do Inep.

Ações desencadeadas pela Gestão

Várias ações foram realizadas a partir de um criterioso trabalho da comissão interna em identificar no instrumento de avaliação do Instituto quais as potencialidades​ historicamente construídas pela Ufal​ e​ as​ fragilidades. ​A partir destas últimas, que impactariam no processo de recredencimento, a Gestão adotou algumas ações, ​dentre elas são destacadas:

- Atualização dos PPCs quanto às relações étnico raciais, acessibilidade, meio ambiente, direitos humanos e estágios;

- Base comum das licenciaturas pelo Consuni;

- Aprovação das Resoluções para regularização da vida acadêmica dos estudantes;

- Publicações de notas técnicas sobre os indicadores de avaliação da IEs divulgados anualmente pelo Inep;

- Criação do Plano de Autoavaliação dos cursos;

- Reestruturação das Comissões de Autoavaliação das UAs (CAAs);

- Institucionalização do Repositório Institucional;

- Criação do Comitê de Combate à Violência contra a mulher, racismo e homofobia;

- Participação do pacto universitário de Educação em Direitos Humanos desde 2017;

- Curricularização da Extensão aprovada pelo Consuni;

- Criação das instruções normativas que passam a normatizar a condução das políticas estudantis na Universidade;

- Criação do Portal do Egresso;

- Reestruturação do NAC e aquisição de equipamentos, garantindo um espaço melhor adequado;

- Criação da página da CPA e sua reestruturação;

- Criação do Programa de capacitação dos servidores;

- Revitalização do 'Ufal em números' possibilitando a publicização dos indicadores da instituição;

- Criação de uma política de estágio tendo a Ufal como espaço de formação;

- Obras de readequação do Restaurante Universitário;

- Realização de concursos públicos com 260 admissões de docentes (efetivos, substitutos, e visitantes) e 111 admissões de técnicos, todos de reposição de quadro;

- Política de qualificação com indução de cotas para servidores (docentes e técnicos) na pós-graduação e edital de professor substituto para afastamento de docentes;

- Criação da carta de serviços dando maior transparência dos serviços que a Universidade oferece;

- Criação do Fórum dos Técnicos como forma de potencializar uma maior participação na assessoria das políticas deste segmento;

- Institucionalização do nome social;

- Ação integrada junto aos cursos em processo de avaliação Inep;

- Recuperação do telhado da Biblioteca Central e aquisição de novos equipamentos, bem como reestruturação das bibliotecas setoriais;

- Reestruturação de duas salas de inclusão digital na Biblioteca;

- Destinação de cerca de R$ 1,3 milhão para compra de livros com base nos PPCs dos curso;

- Compra de 500 computadores e revitalização dos laboratórios de informáticas que atendem à graduação com alocação de novos computadores em todos os campi;

- Aquisição de materiais de laboratórios no valor de cerca R$ 2 milhões (Proginst)

- Sinalização viária do Campus A.C. Simões com 115 novas placas de trânsito;

- Retelhamento dos prédios da Universidade;

- Sinalização nos estacionamentos das vagas para deficientes;

- Continuidade de obras de acessibilidade nas calçadas;

- Criação da resolução da guarda do acervo acadêmico conforme determina legislação de 2013; e

- Início de elaboração de projeto de segurança contra incêndio e pânico com cronograma até 2023. 

A finalização do processo

Todo esse trabalho, de quase dois anos, com várias etapas, culminou na recepção de comissão avaliadora, nos dias 21 a 23 de fevereiro, na qual a comunidade universitária demonstrou unidade ao comparecer de forma representativa em todas as atividades da programação. O resultado positivo na avaliação é uma grande conquista para os segmentos que compõem a Ufal. ​Nas considerações finais o relatório Inep destaca: "A Ufal, por ter obtido conceito final igual a 4,0 (quatro), apresenta um perfil MUITO BOM de qualidade".

Próximos passos

A reitora ressalta que o relatório da Comissão avaliadora indicando o conceito 4 já é uma grande conquista. Ela explica que agora será preciso aguardar o parecer da Seres para, então, o Conselho Nacional de Educação e MEC procederem com a publicação de portaria.

"​Temos orgulho de estar à frente da Universidade nesse momento tendo a clareza que a história de luta e de sonhos, na sua pluralidade, garantiu o conceito quatro. Estamos fazendo história. Temos problemas, fragilidades, mas precisamos enfrentá-los, especialmente nesse momento de crise política, social e econômica. Mas vamos continuar enfrentando coletivamente todos os desafios”​ ​finaliza Valéria Correia.