Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2018 / 1 / Comissão da SBPC Afro e Indígena apresenta proposta no Campus Arapiraca
24/01/2018 11h49 - Atualizado em 29/01/2018 11h45

Comissão da SBPC Afro e Indígena apresenta proposta no Campus Arapiraca

Encontro foi realizado com o intuito de debater programação do evento

Comissão apresenta proposta da SPBC Afro e Indígena em Arapiraca

Sheyla Albuquerque – RP colaboradora 

A SBPC Afro e Indígena é uma das atividades que acontecem dentro da Reunião Anual da SBPC. O objetivo é debater os temas da população afrodescendente e indígena do Brasil contemporâneo, reunindo pesquisadores, estudantes e ativistas deste campo. 

A edição deste ano, que será em Alagoas, está marcada para os dias 22 a 28 de julho, nos campi da Ufal em Maceió e Arapiraca, e será coordenado pela professora Lígia Ferreira, docente da Faculdade de Letras e coordenadora do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros (Neab). 

Lígia esteve no Campus Arapiraca acompanhada de integrantes da comissão organizadora da reunião da SBPC para apresentar a proposta do evento. “São reflexões, muito atuais e de extrema importância para a construção de uma sociedade mais igualitária, onde vamos apresentar práticas científicas, conhecimentos tradicionais e pesquisa”, informa a professora.

No encontro, que contou com a participação de professores, técnicos e estudantes do campus, foram debatidas propostas para a construção da programação científica do evento. “Vamos realizar pré-eventos mensais com o intuito de chamar a atenção não apenas da comunidade acadêmica, mas da sociedade como um todo, para a questão afro e indígena”, destacou a coordenadora. 

Professora Lígia garante que a SBPC Afro e Indígena em Alagoas será diferente de todas as outras edições, já que Alagoas é referência no Brasil no que diz respeito à história dos índios e negros, por ser a terra de Zumbi dos Palmares. “Queremos mobilizar a comunidade, buscando garantir que todos tenham o espaço aberto para debater e expor suas opiniões, agregando a temática afro e indígena nacional”, finalizou Lígia Ferreira.