Você está aqui: Página Inicial / Notícias / 2017 / 5 / Mesa-redonda propõe reflexões sobre a abolição da escravatura
11/05/2017 08h57 - Atualizado em 12/05/2017 15h58

Mesa-redonda propõe reflexões sobre a abolição da escravatura

Evento será no dia 16 e é promovido pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab)

Nova logomarca do Neab

Diana Monteiro - jornalista

Liberdade, Liberdade, abre as asas sobre nós: reflexões sobre a abolição nos tempos atuais é o tema central da mesa-redonda, da próxima terça-feira (16), a ser realizada no auditório da Biblioteca Central (BC), das 14 às 17 horas. O evento, aberto à comunidade, é promovido pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab) da Universidade Federal de Alagoas e, segundo os organizadores,  objetiva discutir sobre questões inerentes à liberdade tão propalada no Brasil.

A coordenadora do Neab, Lígia Ferreira, uma das debatedoras da temática, destaca que o evento tecerá críticas ao que a sociedade brasileira defendeu como abolição da escravatura. “A abolição foi um ato meramente burocrático que não reparou as vidas de homens, mulheres e crianças africanas sequestrados de suas terras, famílias, culturas, tradições, histórias e construções sociais para serem escravizados pelos colonizadores. Estes enriqueceram em detrimento da violenta miséria provocada e mantida por eles para subjugar e manter a opressão”, frisa.

Lígia acrescenta que o debate também é uma resposta crítica às festas comemorativas alusivas ao 13 de maio, Dia da Abolição no Brasil, que é tida como polêmica data. “Nos tempos atuais de retirada dos poucos direitos conquistados com bravas lutas, estamos certas de que as elites brasileiras não admitem que a liberdade e a dignidade humanas são elementos constitutivos de qualquer ser humano”, enfatizou.

Além de Ligia, que é professora da Faculdade de Letras, estão como debatedoras a professora Jusciney Carvalho, do Centro de Educação (Cedu) e Neab; e Nadir Nóbrega, do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes (Ichca) e diretora do Museu Theo Brandão. Os que se inscreverem pelo Sistema de Gestão da Ufal (Sigaa) terão direito a certificado.

Nova logomarca

O Núcleo de Estudos Afro-brasileiros está com nova logomarca que acrescenta ao conceito original as cores da bandeira de Alagoas, segundo Ligia Ferreira, para que se reconheça a importância das lutas empreendidas nos quilombos, no movimento negro e na universidade durante séculos até os dias atuais.

A nova logomarca foi reconfigurada pelo servidor Jailton dos Santos Albuquerque, assistente administrativo da equipe de comunicação da Pró-reitoria de Extensão, Proex, com o auxílio e a votação feita pela direção e por técnicos do Núcleo.

 “Na logomarca o círculo está como representação de que estamos todos juntos nesta luta (movimento negro, Universidade e comunidade alagoana); as duas linhas abaixo representam o movimento constante e de resistência que o Neab da Ufal empreende junto com o movimento negro, desde a sua origem, para defender, discutir e representar as demandas étnico-raciais do nosso Estado.  Todos esses novos elementos são incorporados aos da concepção original da sigla do Núcleo com o traço em vermelho que simboliza a Serra da Barriga e a sigla da nossa Universidade em azul”, explicou Lígia.